últimas notícias

Colunas

1 25/02/2019 21:39

Itabuna, como sempre, não perde a embocadura e afasta, com toda a maestria, a tristeza utilizando muita alegria e criatividade. Se não tem o Carnaval oficial, aquele bancado pela prefeitura, o itabunense não deixa por menos e faz o seu, privado, com os amigos, e não deixa por menos, brinca até dizer chega, pois precisa se recuperar para brincar o Carnaval nas cidades vizinhas.

Pouco importa o dia da semana, se quinta-feira ou sábado, como ocorreu com a tradicional Lavagem do Beco do Fuxico, que este ano promoveu o reconhecimento a um dos mais alegres foliões de Itabuna: Nilton Ferreira Ramos, ou Nilton Jega Preta. Quinta-feira era o dia da Lavagem do Beco do Fuxico, exatamente para abrir o Carnaval de Itabuna em alto estilo, no endereço mais boêmio da cidade.

Se autoridade fosse, convidaria o criador e mentor da Lavagem do Beco do Fuxico, Malaca, um engenheiro que gostava de festejar os 365 dias que Salvador lhe dá direito, com suas lavagens e festas de largo. É que Malaca, também chamado de Roberto Carlos Godygrover Bezerra, estava a trabalho com sua empresa construtora em Itabuna e se refugiava todas as tardes na empresa de emplacamento de veículos de Aberlado Moreira, o Bel.

Próximo ao Carnaval, para Malaca faltava em Itabuna o ziriguidum do soteropolitano para incrementar a folia momesca, daí que propôs a Lavagem do Beco do Fuxico, de pronto aceita por Bel e repassada aos boêmios e carnavalescos do Beco. E nessa época eram o que não faltava no Beco, dada a profusão de bares, a começar com Caboclo Alencar, Mota (no Calçadão), Dortas e Batutinha (o Alto Beco ainda não era povoado de bares).

Hoje, 40 anos depois, a festa já não é a mesma, pois cresceu bastante, mas os foliões, mesmo os mais antigos, continuam com a alegria de sempre, riso estampado na cara, fantasia inovadora, batidas e cervejas em profusão. O eterno Casados I...Responsáveis abrindo a folia, com o Maria Rosa de sempre, e tantos outros que se incorporaram por esses anos todos.

Mantendo a tradição, a Lavagem do Beco do Fuxico foi responsável por outra tradição: a volta da praça Adami ao circuito da folia no centro da cidade, levando a reboque o Calçadão da rua Rui Barbosa. Dos dois primeiros trechos iniciais: o Baixo Beco de Caboclo Alencar, o Médio Beco, de Dortas e Batutinha, a festa foi engrossada com o Alto Beco do Fuxico, da Confraria que leva o mesmo nome (José Senna) e o Artigos para Beber (de Eduardo, ou Zezinho, como queiram).

E em Itabuna o que não falta é beco com botequim em cada canto da cidade, todos (ou quase) dignos de uma boa lavagem para fazer o enfrentamento do Carnaval, gastador de muita energia física e financeira. Até mesmo beco com nome de rua, como a Osvaldo Cruz, já ganhou sua lavagem, digna de um café e lanchonete que sempre se comportou como botequim: o Café Pomar, um dos estabelecimentos mais antigos de Itabuna em funcionamento.

Em todos esses lugares os foliões são praticamente os mesmos, pois festa em local público não se regula convidados. Serão, sempre, os frequentadores habituais, os amigos dos habituais e o povo inteiro que se sinta à vontade. Que festejem à exaustão, com a alegria estampada na cara até a última atração. Depois, só Deus sabe dos endereços dos bares que ainda serão visitados.

Mas nem todos esses participantes são foliões, alguns estão ali a trabalho e mesmo contagiados pela alegria da festa têm que se preocupar com o que fazem. E três desses monstros da fotografia se encontraram em plena avenida do Cinquentenário. Robson Nascimento, Waldyr Gomes e Mario de Queiroz (sem o acento). Três dinossauros em pleno século XXI e com direção à Lavagem do Beco do Fuxico.

Homenagem bem prestada, Nilton Jega Preta em cima do minitrio foi uma lembrança mais do que justa. Me lembrou de anos passados quando enfeitava sua “fobica” e desfilava pelas ruas nos antigos carnavais de Itabuna. Que no próximo ano outra personalidade carnavalesca seja a escolhida e que represente bem o espírito do eterno folião, para que, ainda em vida, possa desfilar com galhardia, simbolizando a alegria Momesca.

*Radialista, jornalista e advogado


Categorias

 Penso Assim - por Walmir Rosário 






Av. Rio Branco, nº 741- Centro - Canavieiras/BA. CEP - 45.860-000
Tel.: (73) 3284-3905 | 9 9900-9930 (Whatsapp) - A Comunicação na Era Digital
© 2010 - Rádio Costa Sul FM - Todos os direitos reservados.